Quem Pode?

Hiperatividade e o Pilates

TDAH – Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade. Ao contrário do que se pensa, ele está presente em adultos e crianças. Quanto mais cedo pudermos tratar maiores são os benefícios alcançados. Curiosamente, essas pessoas possuem um descontrole motor, às vezes causados por paralisias, às vezes não. 

São aquelas que tropeçam nos próprios pés; batem nas paredes; são seguros pela maçaneta da porta; caem e nem sabem o que aconteceu... Parece engraçado mas, isso dificulta o seu dia-a-dia de forma funcional e social... A motricidade fina também é afetada, havendo casos de pessoas com 21 anos amarrarem o próprio tênis pela primeira vez e os que nunca amarraram...

Bom, onde o Pilates entra nessa história?

Primeiramente uma abordagem dentro da Educação Motora.

Nós indivíduos apresentamos habilidades motoras que devem ser desenvolvidas á partir do momento em que nascemos; através de gestos motores em busca de algum objetivo, de alguma necessidade básica: Comer, beber; se locomover em busca de algo; necessidade de afeto; calor; etc. Esses anseios se traduzem em movimentos muito conhecidos na infância como o rastejar , engatinhar, trepar... Em geral, apresentados na primeira e segunda infância, esses gestos ou algum desses não são vivenciados por esses indivíduos e a esse fenômeno chamamos de "queimar etapas".

Uma vez queimada uma dessas etapas dificilmente ela será resgatada e habilidades motoras como coordenação, equilíbrio, força, flexibilidade são afetados diretamente. Conseqüentemente e como uma bola de neve o(s) gestual(ais) motor(es) pelo qual e através dele existe a comunicação dos desejos, dos anseios, das necessidades, dos objetivos; tudo isso ,será afetado e terá conseqüências direta no emocional, no mental dessa criança, desse jovem , desse adulto...

Todos já ouvimos a frase “O corpo fala”, não é? Se o meu corpo não consegue traduzir meus anseios , minha comunicação se torna falha, gerando ansiedade e fragilidades. Dessa forma, se não posso me "comunicar" como os outros , minha auto-estima diminui e a "solução" é o isolamento.

Então, vamos colocar esse indivíduo junto com os outros! Vamos inseri-lo ao meio! Vamos colocá-lo num esporte coletivo onde ele possa socializar-se!

Não! Esse não é o caminho! Pelo menos no início. Esse indivíduo precisa antes de mais nada de um local que não seja hostil. Que os desafios sejam dados de forma progressiva; que seus limites sejam observados, respeitados e, estudado o momento certo do estímulo adequado.
Não é possível ter coordenação se não se possui um mínimo de flexibilidade, como também não alcanço maiores níveis dessa mesma flexibilidade se não houver uma exigência X de força.

Dessa forma, o melhor trabalho para esses indivíduos será aquele que reunir: 

Todo indivíduo deve ter uma atividade física que lhe traga prazer e com isso mantê-la para sempre. Os hiperativos, em seu déficit motor, devem manter a atividade física escolhida, afim de sempre estar “lembrando” ao seu corpo os gestos e aprimorando suas habilidades, muitas vezes , no sentido de mantê-las. Enquanto treina, obtém os benefícios, se parar , perde. Caso a escolha seja por um esporte, que este seja individual até que sua auto-estima e aprimoramento motor básico permita o trabalho em grupo sem que sofra o destaque negativo.


Jovens Adultos

Dentre os vários benefícios que um jovem adulto pode obter com o Pilates, prefiro salientar os Posturais.

Na fase acadêmica , assim como no trabalho, vemos esse público sentado e de acordo com as horas submetidas ao estudo ou ao trabalho , somados as acomodações pouco ergonômicas; a Postura e, em especial , a coluna vertebral é a que mais sofre. Esse sofrimento por vezes, não é notado pelo jovem e sim por terceiros, muitas vezes familiares e ou amigos. Quando notado por ele mesmo, ou por motivos estéticos e ou por dor, então alguma providência é tomada.

O estresse vivido para o cumprimento de prazos vai enrijecendo a musculatura que já pode estar se apresentando por horas em uma má postura. A tensão dificulta a respiração e daí entramos em um ciclo vicioso de Tensão ↔ Má Postura ↔ Dor + Tensão + Má Postura + Dor...

No Pilates ao aplicarmos o Princípio da Respiração estamos trabalhando diretamente com a postura. Relaxar a musculatura tensa e identificar a musculatura lassa, fraca e dar equilíbrio a essas forças. Dessa forma, conseguimos alcançar uma boa Postura com a qual esse indivíduo terá resistência para a manutenção em posição adequada durante o seu dia-a-dia ; assim como, terá flexibilidade para alterá-la e retornar ao ponto ideal a qualquer solicitação de maior ou menor tensão. Para tanto, essa capacidade deverá ser treinada, submetida a um condicionamento físico para que ao entender, ou seja, o corpo assimilar de forma verdadeira essa boa postura , ele, o corpo, necessitará de um suporte muscular forte e flexível o suficiente para manter essa mesma postura em adaptações.


Atores e Cantores

Outro grupo que também se beneficia do trabalho postural e respiratório do Pilates são os atores e cantores.

Saber controlar a musculatura do diafragma, flexibilizar o gradil costal, relaxar os músculos inspiratórios propicia uma consciência corporal maior, um equilíbrio mais apurado do controle das forças que ora devem ter uma maior capacidade inspiratória, ora maior volume expiratório, com isso, as nuances tão desejadas para dar cor a sua interpretação podem ser alcançadas pelo domínio respiratório, com o auxílio logicamente do complexo compreendido pelo abdome, glúteo, assoalho pélvico , conhecidos no Pilates como Power House. A partir desse trabalho cabe ao ator se disponibilizar ao preparador e/ou diretor , de acordo com o veículo escolhido, seja, teatro, tv, cinema, etc.


Melhor Idade

A população que hoje apresenta 60, 70, 80, 90 anos, em sua maioria, são indivíduos que nunca se submeteram a nenhum treinamento físico. Pessoas que muito trabalharam e foram sempre muito ativas, apresentam uma grande vitalidade e muitas coisas a passar mas, que foram perdendo a mobilidade no ciclo vicioso de menos trabalho mais casa menos rua mais casa. Contudo, a qualidade da alimentação, o acesso as informações de saúde, assim como, as visitas mais freqüentes aos médicos com o objetivo de tratar e, o que é melhor, prevenir doenças, tem sido mais freqüentemente observado. Porém, ainda vemos um índice grande de um fator que muito acomete os mais velhos e que muito preocupa aqueles que como nós, da área de saúde lidamos diretamente com eles. Trata-se do risco de queda. Por inúmeros fatores isso ocorre: Má conservação das ruas e calçadas; a grande combinação de medicamentos; o sedentarismo; a falta de atividades direcionadas, com locais adequadamente adaptados as suas necessidades.

O ambiente intimista, calmo, clean, encontrado nos estúdios de Pilates vem atraindo em muito um público que prioriza a qualidade de vida; o trabalho de prevenção de forma individualizada. Um tratamento direcionado respeitando as reais necessidades de quem precisa acima de tudo manter e ou resgatar funções do dia-a-dia.

Logo, melhorar a qualidade de vida significa melhorar a qualidade de habilidades motoras como o equilíbrio, a coordenação, a força , a flexibilidade , porém , temos que dar mais do que isso. É importante o aumento da massa muscular que sofre um grande declínio com a idade e reflete diretamente na DMO –Densidade Mineral Óssea, que quando está baixa se apresenta como osteopenia e quando mais grave apresenta-se como osteoporose , aumentando o risco de quedas e lesões mais graves.

Ainda sem estudos mais aprofundados na relação Pilates e aumento da massa muscular e melhora da DMO, Porém , segundo nosso trabalho direcionado e planejado por profissionais de Educação Física e o Método Pilates, temos observado nos resultados de exames laboratoriais e clínicos a melhora importante desses dois fatores. 

Foi feito um levantamento das alunas dos Studios Pilates Zen com 5 , 3, 2 e 1 ano de treinamento nas faixas etárias de 40, 50, 60 e 70 anos. Foi pedido os exames de DMO antes do treinamento e o mais recente, sendo ,o mínimo de tempo pedido para essa comparação o prazo de 12 meses. A faixa etária escolhida para melhor dimensionar os resultados,por apresentar um N maior foi o de 50 a 60 anos. Cujo a seleção incluía apenas aquelas que faziam suas aulas duas vezes na semana.